Ler introdução completa

Mas eu sou como uma oliveira que floresce na casa de Deus; confio no amor de
Deus para todo o sempre. Salmo 52:8

domingo, 3 de março de 2013

Saudade, ausência, esperança e sonhos

"O que viveu mais não é aquele que viveu até uma idade avançada, mas aquele que mais sentiu na vida". Jean Jacques Rousseau



Por estes dias a saudade está batendo forte aqui nos nossos corações... saudade desta pequenina que se tornou nossa companheirinha, que estava sempre com a gente lutando, sorrindo, dando coragem e ânimo com seus lindos olhos cheios de vida. Faz tanto tempo que não a pegamos no colo, não damos um beijinho em seu rosto. Tanto tempo que não penteio mais seus lindos cabelos e faço chiquinhas, nem lhe dou um banho gostoso e durmo abraçadinha com ela em meu peito. Difícil encarar o fato de que vai levar tanto tempo para lhe dar novamente um abraço e um carinho.


***

Essa semana abri uma gaveta com as suas roupinhas, peguei alguns bodies tentando encontrar seu cheirinho... não costumo fazer isso com muita frequência, mas às vezes é preciso. Senti o cheiro das suas roupas, sim, mas o seu cheirinho não está mais ali. Peguei algumas peças mais do fundo e encontrei uma com um fiozinho de cabelo, pequeno e dourado, o seu cabelinho... que eu penteava e fazia chiquinhas e ela ficava linda.

Ah, pequeninha, mamãe te ama tanto, que Deus te abrace e te beije por mim, você nunca será esquecida em nenhum dia das nossas vidas.

***


A vida ficou mais estranha e um tantinho vazia, com um pontinho a menos de brilho nas cores, desde que ela se foi. Parece que a gente vive um filme com aquelas imagens meio esfumaçadas, aquelas cenas estranhas que a gente não entende logo de começo se é um sonho, se é uma lembrança, se é o presente. É uma coisa esquisita, é uma sensação sem nome e sem definição. Isso é a ausência. É diferente da saudade, que tem tantas cores e cheiros, que tem temperatura, textura e até música de fundo... A saudade vem quando olhamos para trás e lembramos momentos bonitos vividos. Até sorrimos. A ausência vem quando percebemos que não dá pra viver no passado, olhamos para o presente e encaramos que aquela pessoa que amamos não está mais aqui com a gente. A ausência me parece um vazio duro e seco, um não sei quê, que dói.

***

O nosso tempo acabou e é tão doloroso encarar isso, lembro quando ela estava na UTI, e passar uma noite inteira longe dela era tão difícil, ter que partir e deixá-la aos cuidados das enfermeiras. Já conhecíamos todas muito bem, e quando elas estavam de folga e vinha uma técnica nova, eu ficava mais insegura, passava a ela todas as recomendações, como ela mamava, como era a temperatura, os cuidados para ela não vomitar, como gostava de dormir, a necessidade de reportar qualquer alteração para a enfermeira chefe. E então a gente vinha para casa, com o coração apertadinho, mas com a promessa de que no dia seguinte voltaríamos.

Sempre eu que partia e lhe dizia que me esperasse. O único momento em que ela é quem partiu foi para a sua cirurgia, com quatro meses. Eu fiquei desde a madrugada com ela em meu colo, bem apertada contra o meu corpo, lhe aquecendo e lhe dando amor. Expliquei-lhe sobre a cirurgia, e lhe disse várias vezes: eu vou estar aqui te esperando, por favor volte, estarei aqui! E ela voltou! Entre alegria, alívio e medo, vivemos tantas situações difíceis, tantos sufocos, saltamos montanhas e cruzamos mares juntas.



***

Como é importante uma despedida.

Na véspera da sua partida, a última noite em que ela dormiu aqui em casa, após ela mamar seu leitinho com frutas antes de dormir, eu deitei no sofá e lhe dei um colinho. Às vezes eu gostava de parar tudo por um tempo e lhe dar colo, como quando ela era bebezinha. Quando pequenina eu lhe dava colo na maior parte do dia, mas ela foi crescendo, ficando maior, foram surgindo mais atividades, tarefas e a vida foi tomando uma rotina normal. Mas de vez em quando eu lembrava, ela ainda é minha bebê e preciso ter esse tempo com ela.

Na sua última noite aqui em casa, eu a peguei no colo e fiquei acariciando seus cabelos. Falei mais uma vez que lhe amava, disse palavras de carinho. Já era tarde. O Marcelo apareceu, me chamando para ir dormir, lembrou que já era tarde. Eu disse a ele que estava tão bom estar ali com ela, lhe dando um colinho, era tão maravilhoso. Eu disse a ele: dá vontade de ficar aqui para sempre! Sempre era bom estar com ela, mas naquele momento parecia mais especial, uma sensação de coração cheio de paz e plenitude, de sentir que  conseguíamos nos entender tão bem e expressar o quanto nos amávamos. Então levantei, coloquei-a em seu berço, fiquei lhe observando. Ela pareceu meio incomodada na hora que lhe deitei, parecia que também queria continuar no meu colo. Mas logo se acalmou e dormiu. Foi uma das madrugadas mais frias do ano.

E no dia seguinte tudo aconteceu. Foram momentos bem difíceis, ela acordou já em febre alta, com dificuldades para respirar, parecia muito sério. Pela primeira vez desde que ela viera para casa, ligamos para a emergência chamando uma ambulância. Não souberam dizer em quanto tempo chegariam, então preferimos envolvê-la em uma toalha de banho e ir de carro correndo para o hospital. Ainda estava escuro e fazia muito frio, mas ela ardia em febre. Eu só lhe dizia que tudo iria ficar bem, que logo ela se sentiria melhor. E ela nunca mais voltou para casa.

Nós ainda pudemos nos despedir, no hospital, quando ela estava já sedada, lhe beijamos e dissemos o quanto lhe amávamos. Cantamos e oramos segurando sua mãozinha antes de ela partir. Mas de alguma forma a nossa despedida mais especial foi aquela, ali no sofá da sala. Talvez nossos corações já soubessem de alguma forma que aquela era nossa última noite juntas, nosso último colinho e momento de mãe e filha juntas e felizes. De alguma maneira queríamos congelar aquele momento para sempre. Mas é preciso seguir em frente, não dá pra parar a vida nos melhores momentos. Os dias difíceis vêm, os dias de despedida também chegam. Como os pessimistas afirmam triunfantes, nem tudo na vida são flores.

Foi muito bom nos despedirmos. Sabe quando alguém parte para uma longa viagem, e você dá todas as recomendações e fala tudo que é importante, pois sabe que ficará muito tempo sem ver a outra pessoa?
Foi assim. Não sabíamos, mas já sabíamos, de alguma maneira.

As preocupações passaram, a correria do dia a dia, os olhares curiosos e inconvenientes que tantas pessoas já lançaram, os comentários azedos e amargos, e até mesmo os doces, tudo isso passou. Os momentos de "blog popular" também passaram, os elogios, tudo isso passa. Muitas coisas mudam.

Ficou somente o amor que foi vivido. Esse amor profundo que jamais se tornará fora de tempo. A lembrança de seu último dia de vida em que eu preferi deixar a casa bagunçada e a louça por lavar para aquecê-la em meus braços, e nosso momento "de querer ficar aqui pra sempre". 

Tenho tantas coisas a aprender, a fazer, a mudar e a crescer. Claro que este blog  não é um confessionário e as pessoas criam uma imagem idealizada, gostam de levantar heróis (e também vilões), recebemos muitos elogios e na verdade somos somente pessoas comuns e anônimas, que têm que batalhar e trabalhar e enfrentar dias difíceis e encarar os próprios erros e limitações. 

Mas agradeço muito a Deus pelos momentos de lucidez e clareza em que escolhemos ficar com nossa filha e amá-la. Por entender que todas as angústias e preocupações passariam, mas aquele zelo, amor e carinho valeriam pra sempre. Ninguém jamais vai tirar de mim o amor e as boas lembranças do tempo que vivemos com nossa princesinha. Podem passar décadas. Vai estar aqui comigo para sempre.

Nem tudo na vida são flores, é verdade. Por isso é tão valioso quando você tem uma flor em sua vida. É tão importante amar e cuidar com todo o coração da sua flor. 

***

Às vezes o que me consola é pensar que nossa princesa já estava cansadinha e vinha enfrentando algumas dificuldades. Que era preciso se mudar para o céu para o seu bem. Às vezes questiono a Deus por que ela teve que sofrer em alguns momentos, (isso é o que mais dói em meu coração) e em outras percebo que, se não fosse para poupá-la de sofrer, teria sido muito difícil ter aceitado a sua partida. Então agradeço porque tive o privilégio imensurável de viver tantas coisas maravilhosas com ela, durante muitos e muitos dias. Tento me apegar ao que pudemos viver e em como foi muito, muito bom. Foram muito mais dias felizes do que tristes. Muito mais.

*** 

Muitas vezes eu nem penso muito, apenas sigo em frente, trabalho bastante, vejo suas fotinhos, também beijo sua imagem dormindo em meu celular (menos frio que o porta-retrato) e me absorvo em outras atividades. Corro sem olhar para os lados.

Mas uma hora as lágrimas vêm. Demoram, mas vêm. Um dia fui falar com Deus e chorei, e quando vi estava chorando e perguntando: por que ela teve que sofrer, por quê? Aceito tudo que vivemos, aceito que ela tinha que nascer assim e partir, só não entendo por que ela sofreu. Fiquei surpresa ao ouvir aquelas palavras. Eu não tenho nenhum sentimento de revolta, sinto paz e falo sobre tudo que vivemos com muita naturalidade (às vezes até demais, para "escândalo" de alguns que se dizem "chocados"). Mas esse sentimento de dor estava lá e encontrou um caminho para sair do coração e chegar aos lábios, sem avisar, apenas saiu. E chorei.


***

No dia seguinte, estávamos no carro indo para algum lugar (que não me lembro), e estávamos ouvindo alguns louvores e cantando. Estávamos cantando "Vim para adorar-te", nos últimos versos: "Não saberei quanto custou ver meus pecados lá na cruz, não saberei quanto custou ver meus pecados lá na cruz..." Estava feliz cantando e de repente parei, e comecei a chorar...  ouvi saindo dos meus próprios lábios que haviam feito a pergunta um pouco antes, a resposta. Ela sofreu sim, e por meio dessa dor absurda e imensurável, pude entender, um pouco, o que Jesus sofreu. De fato não saberei nunca o que Deus sentiu vendo seu filho ali sofrer, sendo torturado e executado estupidamente, sofrendo sozinho, sem poder receber um abraço, um carinho, um consolo ou um alívio. Sozinho. Apenas consigo imaginar, um pouco, agora.

Em meio a muitas lágrimas agradeci a Deus por não me sentir só e por Jesus ter vindo a este mundo se revelar e se humilhar entre os homens para que pudéssemos então dar um primeiro passo para longe da nossa arrogância, em direção à volta para casa.


***

Às vezes eu sonho com a minha querida filha. Geralmente são sonhos muito confortantes, e acordo com um calorzinho no coração. Duas semanas após ela partir, eu sonhei que estava me aproximando de meu quarto e vi o Marcelo ajeitando ela sobre a cama. Pensei: como que ela veio parar aqui, se ela morreu? Então eu a vi começando a se mexer e se espreguiçar todinha. E gritei muito alto (no sonho): Filha, você voltoooou!!!!!!! enquanto pegava sua mãozinha que estava acabando de se esticar. Quando a toquei, senti sua mão quente, e senti esse calor imediatamente em meu peito, muito real. Então acordei, rapidamente, como se voltasse de um mergulho profundo. Acordei sentindo aquele calor gostoso em meu peito e uma lagriminha no canto do olho.

Senti como se fosse a mão de Deus aquecendo meu peito. E a Sua presença muito forte neste sonho, um novo ânimo e consolo, me dizendo: Não deixe de crer, não deixe de enxergar além do que seus olhos podem ver. Ela vive.




*** 

Desde então todas as vezes que sonhei com ela, ela estava sempre viva e curada de todas as suas deficiências, ou eu a via ressuscitando, voltando à  vida. Uma vez ela bateu palminhas para mim, outras vezes estava engatinhando e fazendo arte, subindo nas coisas... em outras eu a abraçava muito e beijava. Uma vez, porém, sonhei que ela estava com frio e depois esquentou demais e eu estava aflita tentando ajudá-la! (pesadelo). Afinal, sonhos são sonhos. Não vou dizer aqui que querem dizer qualquer coisa além de que estes são os sentimentos que sempre tive por ela e como eu sempre a vi: perfeita e cheia de vida. E como eu ainda a vejo, e creio. Também acho que é uma forma que nossa mente encontra de matar essa saudade imensa e infinita. E é, sem dúvida, um presente de Deus revivê-la em meus sonhos.


***

Aqui neste cantinho, no Blog da nossa princesinha, é muito bom poder relembrar, reviver, e sentir todo esse amor tão bonito que pudemos viver com ela, que foi um momento precioso de nossas vidas.

Outro dia encontrei esta frase e achei que fazia muito sentido com a vida de nossa filha. Não sei realmente em qual contexto ela foi dita e por qual motivo, mas por si só possui um sentido especial. 

"O que viveu mais não é aquele que viveu até uma idade avançada, mas aquele que mais sentiu na vida". Jean Jacques Rousseau

Nossa princesa teve uma vida breve para este mundo, mas sua vida foi preciosa e intensa, e marcou a todos nós.



19 comentários:

  1. tudo isso é tão tremendo..
    não tem como não se emocionar, vc escreve muito bem,estou ansiosa para assirtir já.

    Que Deus continue dando força e essa paz que vc transmite à todos.

    FCDeus gde beijo !!!

    ResponderExcluir
  2. enquanto eu estava lendo este relato, olha o q estava escrito no "cantinho" --> "Deus está no meio dela; não será abalada; Deus a ajudará desde o raiar da alva." Salmos 46:5
    da caixinha de promessas desta pagina....

    ResponderExcluir
  3. Cara Joana,

    Você sempre me emociona.
    Estou sempre aqui com você.

    Já vivi uma situação similar, não com um filho (já que não os tenho), mas com a perda e a despedida de meu pai, outrora médico, saudável, que passou por uma doença neurodegenerativa durante 20 anos e agora se completaram 2 anos de sua ida para o Pai Maior (e estes dias também têm sido especialmente difíceis para mim).

    Meu respeitoso abraço,
    Rita Ribeiro
    São Gonçalo, RJ

    ResponderExcluir
  4. Oi Joana!

    Eu sempre olho o blog com saudade da gatinha, ontem mesmo eu estava lendo o dia que ela se foi e me perguntava quando tu irias sentir vontade de escrever no blog.
    Tudo que viveste e compartilhaste com gente como eu foi muito bonito e intenso e delicadamente contado por uma mãe apaixonada e com uma fé em Deus inabalável.
    Ela se foi pq a missão dela acabou aqui, e tu ficou até completares tua jornada aqui na Terra, e um dia vcs vão estar juntinhas novamente como nos teus sonhos.
    Ah que bom tu achar um fio de cabelo dela! Deve ter sido uma emoção...
    Bjs amiga!
    Continue com Deus e em paz

    ResponderExcluir
  5. Oi Joana, que texto maravilhoso... profundo... lindo... sempre que leio seus posts fico imensamente emocionada... obrigada por compartilhar seus sentimentos de uma forma tão generosa... bjs. Karen

    ResponderExcluir
  6. Saudades demais dessa pequena.Costumo vir aqui rever os posts antigos, e olhar os videos dela.
    Continua bem viva a presença dela.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Joana, estou completamente emocionada e sem palavras... Sempre acompanhei teu blog, sou taquarense, e tenho uma filha com a mesma idade da Vitoria, minha filha se chama Antonia, ela tem o mesmo nome de minha mãe (ja falecida, uma super mae, minha maior amiga), minha pequena antonia nasceu dia 31/01/10 uma semana de diferença da tua vitoria..
    a antonia é prematura, nasceu de 6 meses e tem paralisia cerebral, temos mais um filho, o andre com 6 anos... E só posso te dizer uma coisa, continue escrevendo, por favor... Pq voce ê a inspiracao para muitas maes... Um forte abraco! Katia (katiahaubert@hotmail.com)

    ResponderExcluir
  8. Joana, que Deus continue bem pertinho de você, mostrando que um dia o reencontro com a sua princesinha será lindo e eterno.

    Te agradeço por suas palavras que sempre são um bálsamo para o meu coração, que ainda sofre muito pela perda do meu bebezinho. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Joana, chorei muito ao ler sua postagem.
    A saudade dói muito.
    Só Deus para aliviar esse vazio
    Sem palavras.
    bjs

    ResponderExcluir
  10. Olá, Joana!

    Já há algum tempo eu acompanho seu blog, mesmo com um tempo curtíssimo para acessar a internet extra trabalho. Mas sempre me foi confortante olhar suas postagens. E sabe porquê? Porque sinto a presença de Deus nelas. Não tenho dúvida que Ele escreveu sua história enlaçada com a história da Vitória. Foi Ele quem escolheu cada alegria, cada dor, cada dia, único e especial. Sinto que sua força provém de um coração temente a Deus e predileto pra Ele. Por isso muitas mães pensam em abortar e não zelar por seus filhos. Faltam-lhe DEUS, essência de toda sabedoria!

    Não tenho dúvida de que a Vitória já se apossou da coroa da vitória que Deus fez especialmente pra ela. É engraçado sentirmos saudades de quem não conhecemos, mas amamos de todo o nosso coração.

    Que Deus a abençoe, proteja e a guarde para o Céu!!

    ResponderExcluir
  11. Joana...
    sinta-se fortemente abraçada por mim,
    estou em prantos, de saudade e de admiração por vcs... como Vitória é amada!!! q benção!
    bj
    da Li
    com mto carinho

    ResponderExcluir
  12. I am reluctant to say how much I miss Vitoria, because of course compared to what you must be feeling it is of no consequence. But I miss her sweet presence in the world and the portrait of love you all created together, although of course all of that still exists, now in a different way. I suppose I miss that now no new memories can be created, and we will have to live with the ones we already have. I watch her videos from time to time. Um Pouco Nervosa continues to be my favorite, even though she was fussy and a little uncomfortable, because of the way she so clearly *asked* to be touched by extending her little hand and because of the love so evident in your voice and fingertips. I think it was quite brave of you to post the photos of Vitoria's body after she had left it. There seems to be some sort of cultural taboo about that, but I'm not sure why, since it is just a passage. We do not have this taboo about photos of birth, even though it is simply a passage of another sort. After the passing of a loved one I have had many dreams, some of them were of the heightened, physical quality you describe in which I *knew* that I was getting a glimpse into the new life of the person about whom I dreamed. You can tell tell the difference.

    ResponderExcluir
  13. Querida Joana.... quanto tempo.... sem a nossa princesinha linda.... sinto saudades dela... as vezes escuto um hino e logo lembro dessa princesinha.... a saudade é eterna... è tão ruim lembra dela e saber que não podemos mais vê-lá, toca-lá! Imagino o quanto está sendo dificil esta ausência! Desejo muita força para vcs! e sempre lembro de vocês em minhas orações! Um bj!

    ResponderExcluir
  14. Joana, cheguei no teu blog agora e te confesso que estou aos prantos aqui! Nossa, que história! Eu ainda nunca tinha ouvido falar no termo acrania, mas fiquei encantada com suas palavras e sabedoria em conseguir lidar com toda a situação da perda. Não tenho filhos ainda e dizem que a pior dor é a morte de um filho. Eu perdi minha oma há 8 anos já e choro sempre, tenho muitas lembranças dela e não me sai da cabeça. Então fico só a imaginar vocês. Mas que Deus possa confortar seus corações e força viu! Beijão

    ResponderExcluir
  15. ca de longe muito longe, acompanhei a vida da Vitoria de Cristo.tenho muita pena que ela tivesse partido, mesmo sabendo que ela esta bem.ela era linda. Vou matando as saudades vendo as fotos e videos dela. Um grande beijo para vos. Maria Bravo.......Lisboa Portugal...

    ResponderExcluir
  16. Ana Patricia Cunha29 de agosto de 2013 15:46

    Joana,como eu queria lhe abraçar bem forte e dizer o quanto vcs foram guerreiros juntos com a princesa Vitória...Vitória foi uma criança muito abençoada de ter uns pais como vc e Marcelo.Tbm tenho uma guerreirinha que lutou nesse mundo,mas agora vivi eterna com Deus e em nossos corações! minha filha faleceu no dia 19/06/2013

    ResponderExcluir
  17. Joana vc é pra mim um exemplo de mãe, me espelho em sua força

    ResponderExcluir
  18. Olá!
    Eu fiquei a tarde toda olhando, lendo e relendo o seu blog que é mais do que especial e eu precisava lhe dar parabéns!!
    Não consegui conter as lágrimas com a sua história e a história linda da Vitória que é um anjo!!
    Tenho um filho de 3 anos e 4 meses e sei o que é a dor de ter que acolher uma criança com dor, quando meu filho está resfriado já fico preocupada pois ele teve pneumonia quando tinha apenas 1 ano de vida.
    Vc é uma mãe exemplo de vida, de amor e sabedoria.
    Deus é muito bom por colocar no mundo pessoas como vc que nos ensina. Vc foi forte em todos os momentos, corajosa e soube conduzir da melhor forma para que sua filha fosse feliz.
    Te desejo tudo de bom, muita paz e amor par vc e seu esposo! Vou incluir a Vitória em minha orações para que ela seja luz sempre.

    ResponderExcluir
  19. Neste momentos não há muito o auqe falar fui consuimidar pela emoção e por todo esse amor que é claro e contagioso.

    A vocês somente meus parabéns e que DEus esteja sem pre contigo e ao Benjamim só me resta dize bem vindo você será muito amado.

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita ao nosso blog. Comentários são bem-vindos e muito especiais! Por favor confira algumas orientações antes de deixar sua mensagem:

1) Este blog é um registro pessoal de nossa vida com nossa filha Vitória, que viveu conosco por 2 anos e meio após a gestação. Ela faleceu em julho de 2012.
2) Comente de maneira séria e respeitosa. Mensagens ofensivas ou desagradáveis irão p/ a lixeira.
4) Infelizmente nem sempre consigo responder todas as mensagens que recebo, mas leio a todas com muito carinho.
5) Se você está vivenciando ou vivenciou uma gestação de um bebê com acrania e anencefalia, temos um grupo muito especial de apoio no Facebook onde você será bem-vindo: www.facebook.com/groups/acraniaeanencefalia (copie e cole este endereço em sua barra de endereços da internet)
6) Se preferir, contate-me pelo e-mail joanaschmitz@yahoo.com.br

Muitíssimo obrigada por sua compreensão e respeito.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...